YoGaia

Yoga tem mais a ver com ecologia do que você imagina – e vai muito além de uma aula na natureza! Tem tudo a ver com o movimento da ecologia profunda e da sustentabilidade, pois surge da compreensão da unidade e da interconectividade de todas as coisas. Yoga e Gaia partem do princípio de que não há separaçao, e que apesar da multiplicidade, somos um.

O objetivo último do Yoga é atingir a autorrealização através de uma caminho de 8 partes. A primeira parte, ou seja, a base desse processo, refere-se a preceitos éticos, chamados em sânscrito de YAMAS. É interessante que esses mesmos valores podem ser promovidos em todas as áreas da vida. Por isso é dito que o Yoga é uma filosofia de vida.

Inspirado no livro ” Yoga Verde”, de Georg e Brenda Feuerstein (Ed. Pensamento-Cultrix) e na minha própria opinião, seguem esses valores aplicados na Ecologia ou, os ecoYAMAS:

1- AHIMSA: não-violência, que começa com a gente mesmo, com amor e auto-cuidado, e se estende para o todo: a Terra, seus recursos, os animais e toda a humanidade.
2- SATYA: verdade. Agir de acordo com a Verdade, em última instância, significa acordar do sonho da separação. Realizar a unidade intrínseca de que todos somos um, de que não há separação. A ilusão do ego é que dá início aos ciclos de sofrimento, disputas e competições.
3- ASTEYA: não roubar. Utilizar mais que o necessário é desperdiçar os recursos do planeta. É roubar a chance de utilização por outros seres, roubar o tempo do outro na produção de algo que não precisamos ou usar o meio-ambiente sem responsabilidade roubando a vida da terra.
4-BHRAMACHARYA: direcionar nossa energia vital para ações construtivas, com amor e respeito, em direção à vida, à saúde e à felicidade. Redirecionar os prazeres destrutivos significa aprofundar-se no autoconhecimento, transformar aspectos que nos prendem ao negativo e ressignificar o desamor. Só assim podemos agir na formação de uma sociedade sustentável.
5- APARIGRAHA: desapego, não possessividade, não cobiçar. Significa não tomar nada como seu. Plantamos o bem e a colheita é universal. Passamos a compreender que em algum nível, nossas ações estão interconectadas. Portanto, não há meu nem eu. Mas nosso e nós.

Do ego pro eco.

Namastê ❤️

Comments are closed.