pense pequeno!

Fotos site Herica_203

Como assim?

Simples assim: seja controverso. Pense pequeno.

“Pense grande, sonhe grande” é algo que não só ouvimos falar desde sempre; é o tipo de pensamento que está embutido na sociedade.

O sucesso está relacionado ao grande, ao muito e aplica-se a todas áreas da vida: estipulamos objetivos altos, buscamos resultados a qualquer custo, queremos ser os melhores e impressionar com o máximo.

Angústia, ansiedade, dor, frustração são sintomas da ‘síndrome do futuro’ observáveis naqueles que ainda não alcançaram um objetivo. E paradoxalmente, muitas vezes naqueles que já alcançaram. Por quê? Porque a mente é insaciável. O prazer de realizar uma meta dura pouco, ou muito pouco. E a felicidade e abundância não estão no futuro. Estão bem aqui, no agora, um pouco escondidas nas sutilezas.

As exigências sociais altas refletem-se no nosso sistema tradicional de educação - não se relacionam diretamente com o presente, mas tem foco num futuro grande e brilhante. Desde muito cedo, recebemos a mensagem maquiavélica de forma explícita.

Vivemos um grande equívoco, desafiamos o tempo e negligenciamos o processo.

Como professora e aluna, questiono os excessos, discordo que pela repetição exaustiva iremos aprender algo. Podemos claro, ser domados, treinados, adestrados. Para construir o conhecimento, é preciso pensar pequeno: cultivar a atenção, a presença, adaptar o conteúdo, valorizar as menores descobertas ao invés das respostas prontas, evitar comparações e significar o conteúdo para que seja aplicável no pequeno mundo.

Crianças muitas vezes carregam grande responsabilidade em realizar sonhos grandes dos pais, fruto da inconsciência dos males que “pense grande” pode acarretar. A leveza da vida é deixada de lado quando desconsideramos a grandeza das coisas ‘pequenas’ que não levam a lugar algum – do contato com a natureza, do vento e do sol na pele, dos banhos de chuva, das brincadeiras, do silêncio e do descanso.

Eu acredito na austeridade, na disciplina, na ética. E no equilíbrio, na aceitação, na gentileza, na alegria. O “muito”, mesmo quando é bom, gera compensações e alimentam todo tipo de compulsões e obsessões.

Valorize as pequenas conquistas. Honre sua condição humana. Cuide bem de seu corpo, da sua alimentação, de seus pensamentos, de seus relacionamentos. Sinta o perfume das flores, o calor do sol, o vento no rosto. Valorize a produção de orgânicos, em pequenas escalas, e também o comércio local. Opte pelo simples, domine o simples. E assim poderá dominar o complexo de maneira simples.

Perceba a incoerência em construir um futuro feliz sem um presente feliz. O universo é holográfico, cuidando do micro estaremos melhorando o macro. Simples, mas não fácil.

Pense pequeno, comece com você, aja localmente. E realize toda a grandeza contida nos pequenos atos.

Comments are closed.